‘Prefiro enfrentar a agulha do que ficar doente’, conta menina de 11 anos que está com a vacinação em dia

Júlia Madureira deu o exemplo para a família. O Governo do Amapá reforçou a imunização contra Covid-19 e Influenza

0 50

As vacinas salvam vidas e é com essa certeza que a assistente social, Carla Barros, mantém a caderneta de vacinação da filha, Júlia Madureira de 11 anos, atualizada, incluindo o imunizante contra a Covid-19. Ela incentiva tanto os familiares, quanto os amigos a fazerem o mesmo e conta que nunca deixou atrasar uma única dose da criança, seguindo à risca o calendário de vacinação.

“Eu procuro manter as vacinas atualizadas e desde que minha filha era bebê, cumpro o cronograma de imunização porque acredito que assim podemos evitar muitos e sérios problemas de saúde”, ressaltou Carla.

Governo do Amapá intensificou as campanhas de vacinação nos 16 municípios do estado, disponibilizando imunizantes contra Covid-19 e Influenza, que normalmente apresentam aumento de casos no início do ano, por conta das chuvas do inverno.

- Advertisement -

Dados da Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS) mostram que de 2021 a janeiro de 2024 apenas 7,1% do público infantil de 6 meses a menores de 3 anos havia recebido as três doses de vacina contra a Covid-19, enquanto crianças de 3 a 4 anos representam 8,7% do público com o esquema de vacinação completo. Entre crianças de 5 a 11 anos, a cobertura vacinal com três doses representa 14,8%.

A assistente social reforça ainda que sempre entendeu o ato de vacinar como um gesto de amor e prevenção, e diz que essa deveria ser uma prática indispensável para os pais.

“Somos nós que cuidamos dos nossos pequenos e somos responsáveis pelos cuidados que eles precisam para que tenham um crescimento saudável, com qualidade de vida e seguir a vacinação em dia, faz parte desse processo”, afirmou Carla.

A filha Júlia Madureira, estudante do 6º ano do ensino fundamental, aprendeu cedo o valor do ato de buscar a vacinação e dá um recado para quem ainda não se conscientizou sobre a vacinação.

“Eu sempre ouvi minha mãe dizendo que se a gente não se prevenir, a gente pode adoecer. Então, mesmo com um pouquinho de medo, eu prefiro enfrentar a agulha do que ficar doente”, comentou a pequena Júlia, dando exemplo para todos.

O Ministério da Saúde incluiu a vacina da Covid-19 pediátrica no Calendário Nacional de Vacinação a partir de 2024. A medida foi tomada com base em evidências científicas e dados epidemiológicos de casos e óbitos causados pela doença no país, que reforçaram a importância da imunização.

Além do público infantil, os dados da SVS apontam que 727.63 pessoas foram imunizadas contra a Covid-19 no Amapá. A professora da rede pública estadual, Roseane Siqueira, de 47 anos, também está com a caderneta de vacinação completa e reforçou que essa é a forma mais eficaz de proteção de várias doenças e suas complicações.

Ela estendeu a atenção à mãe, a aposentada, Nilma Siqueira, de 70 anos, que já está devidamente vacinada.

”Essa é a melhor maneira da gente se proteger de uma variedade de patologias, e das consequências delas, assim como teve a Covid, que vitimou tantas pessoas, e deixou sequelas para sempre em outras. Então, eu me cuido e cuido dos que amo”, relatou Roseane.

A professora enfatizou que não só ela, mas toda a família é a favor e não tem dúvida da eficácia da vacina.

“Nós precisamos aumentar a nossa imunidade. Quando eu tive Covid, quase não tive sintomas porque já havia tomado a quarta dose da vacina. Eu reforço no meu núcleo familiar e de amigos que nós não podemos perder a saúde de forma repentina por irresponsabilidade nossa”, finalizou.

Comentários
Carregando...