2ª etapa de revitalização do Centro de Cultura Negra é entregue sob rufar dos tambores e roda de capoeira

Entidade é administrada pela União dos Negros do Amapá (UNA). Investimento é de R$ 500.000 de Transferência Especial do senador Randolfe Rodrigues, mais contrapartida do Tesouro Municipal. Prazo para reforma foi de 180 dias

0 92

Ao som dos tambores de Marabaixo, alegria e participação dos movimentos sociais negros paramentados, ocorreu a entrega da 2ª etapa de revitalização do Centro de Cultura de Negra do Amapá Raimunda de Nazaré da Silva Ramos, nesta sexta-feira (17). Uma cerimônia no auditório do CCNA oficializou a concessão do lugar, com participação de grupos afro-religioso, de capoeira, de marabaixo, público em geral, imprensa, delegação municipal e vereadores.

A reforma foi executada e fiscalizada pela Prefeitura de Macapá – por meio da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura Urbana (Semob) – em 180 dias. O Centro de Cultura Negra é uma entidade administrada pela União dos Negros do Amapá (UNA). Investimento para reforma é de R$ 500.000 de Transferência Especial do senador Randolfe Rodrigues, mais contrapartida do Tesouro Municipal. São 2.759,77 metros quadrados de área modificada.

Dr. Furlan, primeira-dama, senador Randolfe Rodrigues e demais representantes da comunidade negra durante descerramento da placa de inauguração | Foto: Jesiel Braga/PMM

Antes do evento, o chefe do Executivo, Dr. Furlan – acompanhado da primeira-dama e secretária de Mobilização e Participação Popular, Rayssa Furlan – foi acolhido sob o rufar dos tambores e em roda de capoeira.

As homenagens mostraram aos presentes os pormenores das tradições e cultura do povo preto e, paralelamente, representaram agradecimento à gestão por resgatar a vida, luz e brilho de um espaço que, no passado, era abandonado e deteriorado por indivíduos e condições climáticas adversas.

O representante das comunidades de terreiro, Pai Salvino de Odé, agradeceu a benfeitoria realizada pela Prefeitura à comunidade negra. “A reforma do Centro foi promovida em um processo transparente e de luta, em que as comunidades do terreiro se reuniram e se dedicaram para serem agraciados. É um local sagrado para que possamos cultuar o candomblé, tambor de mina e umbanda”.

“Esse lugar não é para pessoas descendentes de escravos. E, sim, para descendentes de guerreiros, africanos, reis e rainhas. A entrega ficará registrada em nossa memória e legado. A festa é nossa. A comunidade vai usufruir dessa maravilha a cada minuto e segundo”, frisou o celebrante da Missa dos Quilombos, padre Paulo Roberto Matias.

O diretor-presidente do Instituto Municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Aluizo de Carvalho, ressaltou que a revitalização representa dignidade aos movimentos sociais negros. “Queremos louvor, cantar marabaixo, dançar batuque. Queremos dignidade e direito à nossa terra e aos nossos valores. Garantir à nossa gente aquilo que não foi garantido aos ancestrais. A gestão reformou essa casa, respeitando as normas e garantindo responsabilidade social para com todos”.

Segundo o prefeito de Macapá, o investimento foi baseado no diálogo e escuta dos anseios da população. Dr. Furlan afirmou, ainda, que o CCNA está preparado para receber festas tradicionais, como o Encontro dos Tambores e que o Centro é adequado para receber pessoas de qualquer lugar do mundo.

“Ninguém vai chegar e tomar a decisão no lugar do povo. Quem viveu, construiu e discute as políticas aqui são vocês. Nós executamos o que o povo pede. É dessa forma que vamos trabalhar sempre. Na gestão, ninguém verá a gente colocar dificuldade nas coisas. Falamos e fazemos coisas positivas. Acredito que, quando falamos coisas positivas, temos resultados positivos”, finalizou.

Os serviços executados pela Semob foram reformas do prédio afro-religioso, com 14 salas para praticantes de cultos afros, em dedicação aos Orixás; auditório: revitalização do espaço, banheiros e camarins, construção de novo piso e instalação de janelas de vidro; aquisição de louças e metais; reformas da sala de consulta espiritual e de área coberta para rodas de candomblé, umbanda e tambor de mina; calçamento com meio fio e piso tátil; pinturas diversas; reparos na torre da caixa d’água; instalações elétricas e hidráulicas; esgoto e reforma do sistema de abastecimento e distribuição de água.

Autor de Transferência Especial para revitalização do CCNA, senador Randolfe Rodrigues | Foto: Jesiel Braga/PMM

Primeira etapa

Em 2022, a Prefeitura de Macapá entregou, no prazo de cinco meses, a primeira etapa de revitalização do prédio administrativo, Museu do Negro, maloca multiuso, instalações elétricas, hidráulicas e de combate a incêndios. Foram construídas novas coberturas, troca de piso, reforma dos ambientes em madeira, pintura, reconstrução da mureta, entre outros serviços. O prédio também recebeu móveis e equipamentos novos. O CCNA é símbolo da memória e identidade da população negra amapaense.

Perfil da homenageada

Nascida em 12 de outubro de 1955, Raimunda de Nazaré da Silva Ramos – conhecida como dona Raimundinha – foi uma célebre moradora do Laguinho, bairro onde nasceu e viveu. Foi defensora da igualdade de gênero e combate à violência doméstica. Descendente de escravos, dona Raimundinha foi a primeira presidente do CCNA e fundadora de movimentos afrodescendentes importantes para a cultura negra local, como a Missa dos Quilombos e o Encontro dos Tambores. Faleceu em 25 de outubro de 2017.

| Fotos: Jesiel Braga/PMM

- Advertisement -

Comentários
Carregando...